Faepe registra desempenho positivo da agropecuária em Pernambuco


Faepe registra desempenho positivo da agropecuária em Pernambuco

 

(21/09/2020)A Federação da Agricultura do Estado de Pernambuco (Faepe) analisou os dados do Produto Interno Bruto (PIB) pernambucano, no período de janeiro a junho deste ano, divulgados pela Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco (Condepe/Fidem).

Como era esperado e seguindo a tendência nacional de queda, em Pernambuco, foram cerca de R$ 6 bilhões a menos na economia do Estado, refletindo em seu PIB estadual com uma redução de -4,5% no 1º semestre deste ano frente ao 1º semestre de 2019. Declínio menos intenso do que o nacional, que foi de -5,9% para o período.

A agropecuária merece destaque por ter sido o único setor produtivo que obteve desempenho positivo. Em nosso Estado, enquanto a indústria e os serviços recuaram -5,8% e -4,5%, respectivamente, o setor primário do agronegócio cresceu 2,6% no semestre.

Quando observamos os dados dos últimos 12 meses (julho de 2019 a junho de 2020), identificamos que o crescimento da agropecuária pernambucana foi 7 vezes maior do que o da agropecuária nacional, 8,8% contra 1,2%, e muito acima dos demais setores do Estado (indústria -1,3% e serviços -1,5%). O fator preponderante para isso foi a dinâmica das chuvas em todo território, que ultrapassou, de forma mais bem distribuída, a média pluviométrica dos anos anteriores, garantindo menos perdas em nossa produção.

As principais atividades econômicas do agro pernambucano, a saber, cana-de-açúcar, fruticultura, avicultura e pecuária de leite, mesmo diante das adversidades climáticas dos últimos anos, foram responsáveis por gerarem anualmente uma média de R$ 10 bilhões de forma direta, além de empregos e renda para a população.

O abastecimento do nosso mercado doméstico não sofreu qualquer sobressalto neste período conturbado de desaceleração da nossa economia e incertezas sobre as perspectivas futuras. Mesmo não sendo autossuficiente em alguns produtos, a qualidade do fornecimento e competitividade dos preços, acessíveis a todos, garantiram o provimento de alimentos para os pernambucanos.

“Como não existe até agora qualquer indicação negativa para o calendário chuvoso das próximas quadras, continuamos otimistas para o final deste ano e início de 2021”, afirmou Pio Guerra, presidente da Faepe.